Gestação, parto e amamentação em tempos de quarentena

Em tempos de quarentena, a gestação, o parto e o pós parto se tornam ainda mais desafiantes. Saiba o que especialistas dizem sobre o COVID 19 e o parto.

Estar grávida nesse momento de isolamento e pandemia não deve ser nada fácil. Já não bastasse toda ansiedade do final da gestação, e agora isso tudo! Mas calma, separamos pra vocês algumas orientações médicas importantes sobre parto, pós parto e amamentação em tempos de coronavírus. Dá uma olhada aí!

Gestação

Ainda há muitas dúvidas sobre o impacto da covid-19 em gestantes e em recém-nascidos. A partir de 04 de Abril de 2020, gestantes de alto risco e puérperas passaram a fazer parte do grupo e risco do Covid- 19, segundo Boletim Epidemiológico Diário do Coronavírus do Ministério da Saúde

Gestantes de alto risco (diabéticas, hipertensas, dentre outras) e puérperas (mulheres até 42 dias após o parto) aparecem nos gráficos mostrados no boletim como grupo de risco por possuir indicativos de possibilidade para complicações por COVID-19.

Cuidados e medidas de proteção são muito importantes, como:

-Isolamento físico, distanciamento social;
-Abolir visitas após o nascimento do bebê;
-Cuidados com a higiene e uso de máscaras para saídas indispensáveis;
-Esforço para controle de comorbidades e agravos de saúde.

A Confederação Internacional de Parteiras (ICM) lançou recentemente recomendações a respeito do cuidado com gestantes durante a pandemia do coronavírus. O documento mantém o foco nos direitos humanos durante o parto. Alguns pontos importantes são:

– Recomenda um único acompanhante assintomático durante o parto e pós parto

– Recomenda evitar procedimentos desnecessários de indução, cesáreas e intervenções, pois todos eles aumentam o risco de complicação para mãe e bebê, aumentando também a chance de permanecer mais tempo no hospital e a sobrecarga sobre os profissionais, consequentemente acrescentando risco de exposição ao COVID-19.

– Recomenda que países em que estejam disponíveis parteiras qualificadas, com equipamento e recursos apropriados para emergências, deem suporte à opção de parto em casa ou casa de parto, reduzindo o risco de contaminação.

– Contra-indica parto na água para casos de COVID-19.

– Recomenda continuidade do cuidado, preferencialmente com o mínimo de profissionais em contato com cada parturiente/acompanhante, para reduzir a exposição a COVID-19.

O documento completo pode ser encontrado aqui.


Parto e pós-parto

Muitas gestantes estão optando por mudar o local de parto para uma maternidade ou casa de parto para ficar longe de possíveis casos de COVID-19.  

Há relatos de gestantes que optaram pelo parto domiciliar, por se sentirem mais seguras estando em casa, longe de possíveis focos da infecção. Também há o medo dos centros médicos entrarem em colapso, sem leitos, ou assistência necessária. É importante lembrar também que partos domiciliares devem ter acompanhamento.

Melania Amorim e Maíra Libertad, duas importantes referências brasileiras na area da humanização do parto e da medicina baseada em evidências científicas, publicaram recentemente um artigo científico com orientações para o parto e pós parto durante a pandemia:

“No contexto da pandemia por COVID-19, a assistência obstétrica e perinatal precisa ser discutida com base na compreensão que temos até hoje da doença, das evidências sobre transmissão vertical e contágio e também na humanização do cuidado. A chamada “hora de ouro” tem sido descrita como fundamental para melhorar os desfechos e assegurar o bem-estar do binômio mãe-bebê. Até o momento, a maioria das diretrizes recomendam a ligadura oportuna do cordão umbilical (e não precoce) e estimular a amamentação sempre que a condição clínica da mãe e do bebê o permitam. Porém, recentemente, a SBP fez uma recomendação contrária ao contato pele-a-pele. Como essa recomendação não se baseia em forte evidência, nós propomos o manejo alternativo com os seguintes cuidados:

RN SAUDÁVEL DE MÃE COM COVID-19 (casos sintomáticos, suspeitos ou confirmados)

– Recepção por obstetra/EO/obstetriz (profissional que assiste ao parto)

– Aquecimento e secagem

– Limpeza da face anterior do tórax materno com esponja com clorexidina

– Remoção do sabão usando compressa úmida na área das mamas, especialmente a aréola

– RN entregue à mãe

– Ligadura oportuna (1-3min) do cordão umbilical

– Amamentação na primeira hora de vida “

(Amorim & Libertad, 2020)

Amamentação

Sobre a amamentação, ela não apenas é indicada, como também pode passar anticorpos para o bebê. 

Até agora nenhum estudo científico mostra transmissão de vírus pelo aleitamento materno.

Segundo documento da OMS, até então não existem evidências sobre transmissão de coronavírus de mãe para bebê.  

A orientação geral é que a mãe mesmo estando sob suspeita, ou infectada, mantenha a amamentação, mas seguindo os cuidados recomendados: Usar máscara, sempre lavar bem as mãos antes tocar no bebê e limpar com frequência todas as superfícies que a mãe sintomática teve contato.

Caso a mãe prefira, também pode retirar seu leite e entregá-lo para um cuidador saudável oferecer ao bebê.

Você está gestante? Como está sendo a gravidez nesse momento? Conta pra gente nos comentários!

Aqui no blog já temos vários artigos relacionados à quarentena pelo Covid-19. Se você já tem filhos, temos aqui um post com brincadeiras para fazer durante a quarentena, e outro com várias receitas gostosas pra fazer com as crianças.

Aproveite também para ler o post sobre Práticas de Autocuidado. Aqui: https://blog.donachicasling.com.br/praticas-de-autocuidado-os-habitos-que-voce-pode-comecar-hoje/

Autor: Cheyenne Vieira

Autor: Cheyenne Vieira

Cheyenne é estudante de jornalismo, mãe do Ernesto, trabalha com fotografia e na comunicação da Dona Chica Slingueria. Está no Instagram @cheyenne.vieira

Postagens Relacionadas

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.